Sistema Inverter

Economia de até 40% no consumo de energia!

Sistema Inverter

Sistema Inverter

O que é inverter?

– Uma tecnologia promissora para um novo padrão mundial mais eficiênte e sustentável.

A tecnologia Inverter permite um consumo até 40% menor de energia elétrica, o que além de beneficiar o consumidor, beneficia também o meio ambiente. Além da economia com a redução do consumo elétrico, os equipamentos fabricados com esta tecnologia utilizam o gás refrigerante ecológico R-410A, que não é nocivo à camada de ozônio. Além do menor consumo e o gás ecológico, os equipamentos dotados de Tecnologia Inverter são mais eficientes e silenciosos. Em alguns casos, equipamentos com esta tecnologia de potências pouco inferiores podem desempenhar papel similar ou até mesmo superior à equipamentos de Tecnologia Convencional com potencias superiores.

Alguns fabricantes estão indo além e buscando tecnologias acessórias para otimizar ainda mais a redução de consumo elétrico, incluindo um sensor de presença a fim de identificar se existem ocupantes no local para que se justifique o início da operação efetiva do compressor, prometendo uma economia de até 60% no consumo elétrico do aparelho em comparação aos equipamentos de Tecnologia Convencional.

É comum o consumidor confundir o termo ‘Inverter’ dando-lhe a conotação de que se refere à um equipamento de ciclo quente e frio; porém, para os equipamentos que possuem a função de resfriamento e aquecimento, é na verdade utilizado o termo ‘Reverso’. Tanto os equipamentos de Tecnologia Convencional como os dotados de Tecnologia Inverter possuem equipamentos na versão Frio (resfriar) e Frio / Reverso (resfriar e aquecer). O termo reverso se justifica basicamente no sentido em que o gás refrigerante circula no sistema. Como o aparelho condicionador de ar trabalha com troca de calor, na função resfriar a troca de calor com o ambiente gera a descarga de ar mais frio para dentro do ambiente e a descarga de ar mais quente para fora do ambiente. Já na função ‘Reverso’ é prodizida descarga de ar mais quente para dentro do ambiente e descarga de ar mais frio para fora do ambiente.

O gás R-410A foi obtido graças a esforços e investimentos em pesquisas buscando um gás refrigerante que fosse mais eficiênte e sustentável. Antigamente, na primeira geração dos gases refrigerantes, eram utilizados os CFC’s (CloroFluorCarbonos) e eram muito nocivos à camada de Ozônio contendo grande quantidade de moléculas de Cloro. Posteriormente, em busca de mais eficiência e minimização de danos ao meio ambiente, foram desenvolvidos os HCFC’s (HidroCloroFluorCarbonos – Link com Google Tradutor) que apesar de se mostrarem menos nocivos com a adição do Hidrogênio em sua fórmula, ainda continha a molécula de cloro – como é o caso do atual R-22 ou Freon. Segundo o Protocolo de Montreal assinado em 1987, essas duas classes deveriam ser substituídas e eliminadas ao longo de um período e foi reforçado por ocorrência de outro tratado, o Protocolo de Quioto aberto em 1997 entrando em vigor em 2005 após retificações e reunião de assinaturas necessárias, sobre a redução da emissão dos gases que agravam o efeito estufa.

Finalmente, foram desenvolvidos os sucessores destas classes, os HFC’s (HidroFluorCarbonos) que são livres das moléculas de cloro, em que se enquadra o R-410A.

Mas não pára por aí: A tecnologia inverter traz ainda mais benefícios.

Ao passo que o compressor de um Ar Condicionado comum leva um “choque” elétrico para o arranque (trabalhando em sua capacidade máxima desde a partida) a fim de resfriar o ar até que chegue à temperatura desejada e desligue logo após (o que consome bastante energia ocasionando picos elétricos e deixando a temperatura do ambiente instável);

O equipamento com Tecnologia Inverter não desliga ao atingir a temperatura, porém, ele assume um comportamento similar a um modo de ‘Stand-by’ pois possui um dispositivo interno que ajusta a freqüência do motor e conseqüentemente seu giro, ficando sempre em funcionamento mas trabalhando gradualmente de acordo com a temperatura do ambiente, diminuindo sua rotação e variando-a sempre que necessário. Assim mantém a temperatura estável e evita picos elétricos e consumo excessivo, proporciona sustentabilidade, economia, menor nível de ruído e proteção elétrica.